“Sou filho de um americano e uma brasileira, e tive formação bilíngue. Quando eu era criança, meus pais participavam de diversos projetos sociais. Toda vez que aparecia um voluntário estrangeiro, eu entrava em cena para ajudar na comunicação. Sou formado em Biologia, e sempre fiz traduções de artigos científicos e médicos.

Daí para a tradução simultânea, foi um pulo: em 2011, completei o curso de formação de intérpretes da PUC/SP, e desde então trabalho como intérprete profissional. Já pude fazer a tradução simultânea de pessoas como o empresário Abilio Diniz, a cientista Mayana Zatz, o maestro João Carlos Martins e o cantor britânico Sting. Quando tiro férias, gosto de viajar para destinos pouco usuais – já visitei países como Myanmar, Djibuti, Quirguistão e Honduras, entre outros. Acredito que esse contato com diferentes culturas, somado ao meu interesse por todo e qualquer assunto, me ajuda na cabine de tradução: sou atento a nuances linguísticas e às várias formas de expressão; consigo me adaptar às circunstâncias e enfrentar os imprevistos que são inerentes ao trabalho do intérprete.”