28 Out, 2014

A importância da cabine de espanhol

28 Out, 2014

É comum entre os brasileiros a crença de que entendemos muito bem o espanhol, assim como a de que também nos compreendem os falantes dessa língua. Sim, há muitas semelhanças e é inegável que o portunhol do brasileiro faz maravilhas e o ajuda a se virar muito bem em algumas ocasiões,  o que não aconteceria com a mesma facilidade se estivesse em Omã ou Shangai, com o árabe ou o mandarim.

No meio profissional, no entanto, a realidade muda de figura. Entender o básico não é suficiente e em geral é nos matizes que se encontra a riqueza da mensagem e é também daí que podem nascer os mal-entendidos.

Trabalhar no limiar entre línguas tão semelhantes como o português e o espanhol impõe enormes desafios. Se, por um lado, existe grande familiaridade pelo fato de estas duas línguas terem a mesma raiz, a mesma família e até mesmo elementos culturais muito próximos, por outro, isso também pode representar a grande dificuldade para o estabelecimento de um limite claro e preciso entre elas. Estão sempre à espreita as interferências sintáticas, fônicas e morfológicas.

O domínio  do contraste destas línguas nos permite uma maior proximidade com cada uma delas em suas especificidades, e que possamos entender seu uso nativo e estendê-lo a nossa interlíngua. No que diz respeito à tradução, seja ela escrita ou simultânea, detalhes fazem a diferença, e são esses os detalhes que assimilamos ao produzirmos uma tradução ou interpretação fiel, não só às palavras, mas também à estrutura e às construções próprias de cada língua.

O sucesso de um negócio depende de um conjunto de estratégias. Quando necessária, a tradução simultânea de qualidade é uma delas, inclusive entre línguas aparentemente tão próximas quanto o português e o espanhol. Não descuide dos detalhes. Não abra mão da interpretação.

«
»

Leave a comment:

O seu endereço de e-mail não será publicado.